SUPERAR?



 Mas o que é de fato superação?

    É abrir mão de um relacionamento, deixando para lá? Abrir mão de um relacionamento que tinha tudo para vingar? É ser tão magoada que não resta mais chances de insistir? É sair pela porta da frente sem olhar para trás, sem se importar com quem ficou lá dentro? É sair mesmo que seja chorando? É não voltar? Nem ao menos cogitar a possibilidade de dar meia volta e entrar novamente no cômodo? Ou é não conseguir voltar? Mesmo querendo. É não voltar atrás, mesmo sentindo que é um erro ir embora? Ir sem sentir nada? Ou é sentir que algo maior está programado para você? e que hoje partiu e perdeu, para no futuro encontrar alguém que não sairá pela mesma porta que saiu. É isto?
    Superação é ver um ex amor, daqueles bem antigos que você só lembra quando esbarra na rua. 

O dia amanhece e parece ser apenas outro dia comum em sua vida. Sai de casa perdida em pensamentos e planejando chegar no trabalho na hora certa, só para sair na hora certa. É sexta-feira. Dia de maldade! Dia de encontrar aquele cara legal que conversa a semanas e beber um pouco, até se ver nos braços dele. E por ser só um dia comum não se importa muito com a maquiagem ou a roupa que vai ir trabalhar. Pega a primeira que vê no guarda roupa, prende o cabelo o mais razoável possível, escova os dentes e sai de casa correndo vasculhando a bolsa, conferindo se não esqueceu nada importante. Olha para trás só para conferir se o seu ônibus não está vindo, e quando volta a olhar para frente. Lá está ele. No meio de outras pessoas, no ponto de ônibus com seus fones de ouvido no último volume. Lá está um ex amor, alguém que não vê a anos. E você só quer voltar para casa, mas precisa do emprego. Quer que um meteoro caia naquele instante impedindo que chegue naquele ponto de ônibus, mas nem garoa cai do céu. Reza para ter esquecido alguma coisa, só para voltar para casa. Mas está tudo em sua bolsa! E lá está você, caminhando em direção a alguém que um dia foi tudo. E muito mais.
    Meio sem jeito ambos se cumprimentam, trocam olhares rápidos conferindo se muita coisa mudou nestes últimos anos. Quanto tempo passou mesmo? Dois anos? Três? Ô céus! Quanto tempo! E lá está você esperando o ônibus ao lado do cara que já foi completamente apaixonada, com uma roupa fuleira e amassada, sem maquiagem e com o cabelo desgrenhado. Você não se arrumou, e costuma se arrumar todos os dias. Ok, quase todos. Tá bom! Sempre que dá tempo. Ele tenta puxar assunto, tentando descobrir coisas sobre sua vida. Você responde meio sem graça, mas pergunta também. E é tão engraçado a situação em si, parecem dois estranhos que um dia se conheceram muito bem. E cara, como ambos mudaram. E como tudo parece ser vago, meio triste. Não é? O ônibus chega, entram e ficam um do lado do outro enquanto a vida segue seu curso normal. O silencio constrangedor aparece, não tem nada mais a ser perguntado. Não tem nada a ser dito. Às vezes você se pega olhando para o lado, só para vê-lo. E sente que as vezes ele também te olha, só para te ver. O lugar onde tem que descer chega, demorou uma eternidade. E lá está você dando as costas e saindo, deixando-o no "cômodo". Do mesmo modo que anos atrás.
    Chega no serviço, faz todas as coisas que tem que fazer e resolve tudo que tem que resolver. Sua mente está ocupada, focada em alguma tarefa importante. Mas durante o dia, se pega lembrando da cena constrangedora, e até sorri. O dia passa, volta para casa. Se arruma, tenta ficar o mais atraente possível para o cara legal que irá ver. Então se pega olhando para seu reflexo no espelho e se perguntando. Isto que é superação? Encontros constrangedores em momentos inesperados? É relembrar o dia inteiro lembranças que eram cruciais. E ao mesmo tempo, não desejar revive-las? É só isso? Está dorzinha no fundo do coração? É deixar para lá todas as coisas, e simplesmente sair do ônibus se sentindo esquisita? É olhar no fundo dos olhos da pessoa e não ter mais nada a dizer? É está sensação de compreender os motivos de não ter dado certo? Ou é normal não ter está sensação? É não chorar mais? Não lamentar?
    Então reforça o batom vermelho, termina de ajeitar o vestido e sai de casa a caminho do barzinho. Sem suas respostas, sem olhar para o ponto de ônibus, só com o silencio constrangedor do passado. E foi isto, passou. Talvez superação seja isso, deixar que algo passe por você. E quando reencontrar, deixar novamente que passe por você. E se reencontrar de novo, e de novo, simplesmente deixar que passe mesmo sem as respostas.

O silencio. Talvez, seja a superação. 
Como o tempo que passa diante de nós neste instante.



     Eu sou a dona do Tráfico de Conselhos, e não tenho as respostas. Irônico, não é? Mas quem é corajoso o suficiente para responder todas estas perguntas? Ou maluco o suficiente de achar que tem as respostas para elas?

Com amor,
Mi.

Milena Oliveira

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

2 comentários:

  1. Oh céus!Super me identifiquei com esse texto, para mim não tem nada melhor do que superar um ex amor, é olhar pra ele depois de muitos anos e perceber que não há mais nenhum sentimento dentro de você a respeito daquela pessoa.
    http://umblogindie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sensação é estranhamente gostosa! Ter passado pelo fundo do poço sentindo que não ia conseguir superar, e reencontrar anos depois a pessoa e perceber quão forte você foi ao ponto de conseguir sair do fundo, sozinha.
      Fico feliz que tenha gostado do texto, volte sempre. Ok?
      Beeeijos

      Excluir